Eu confesso.

Setembro 29, 2009

Confesso que sinto falta daquele mimo privado, só meu, só para mim. Sinto falta dos gestos simples, como as pontas dos dedos a começarem uma viagem muito lenta no meu braço, passaram na clavícula, subirem aos meus lábios e finalmente desceram, até ao umbigo, a percorrer o meu corpo como se fosse um piano delicado. Tenho saudades dos arrepios quase audíveis, de sentir os meus poros dilatarem, de, com deleite, sorrir e encolher a barriga, fingir que fujo às cócegas quando quero que elas continuem…

Confesso que me faz falta os segredos em sussurro, os suspiros no meu pescoço e as declarações embaraçadas, espontâneas e quase infantis. Sinto falta de deixar que alguém me veja, do deitar a cabeça num peito em que o coração bata por mim, de me sentir segura num abraço maior que eu e de então ser pequenina e mimalha. Tenho saudades de ouvir coisas bonitas…

Confesso que até da ansiedade de gostar eu sinto falta. O olhar, o fugir, o voltar, dizer que não quando queria dizer que sim, dizer que sim quando devia dizer que não, fingir-me indiferente, correr atrás, correrem atrás de mim, insinuar, fazer-se despercebido…

Tocar com os dedos das mãos num sem querer muito mal disfarçado. Brincar com as mãos debaixo do assento para que ninguém veja e nós possamos fingir que não se passa nada. Como eu adoro o fingir que não se passa nada. A pergunta, a não resposta. Não é sim, não é não, talvez quem sabe… Ficar nessa incerteza deliciosa e repetir. Repetir o aproximar, o afastar, os olhares de desejo, as mentiras que dizem serem mentira, o sorriso endiabrado no canto da boca, a vontade…

Tenho saudades da tensão do meu corpo quando estou muito perto de alguém que quero e tenho simplesmente de ficar quieta. Sinto falta do baile que danço, enquanto me deixo aproximar para fugir a seguir, quando deixo que me agarres para te fazer largar-me, quando os nossos lábios ficam muito perto, mas mesmo assim não se tocam…

Confesso que sinto falta de gostar. E sinto falta da correspondência também. Sinto falta da espera ansiosa, da incerteza do dia seguinte, da certeza que é contigo que quero ficar. Tenho saudades de me sentir importante, de que me conheças melhor que ninguém, de que saibas dar-me a volta quando faço birra, que eu quero que fiques quando eu digo que não…

Tenho saudades de rebentar de felicidade, de dar um beijo apaixonado que parece que vai durar para sempre, de sentir o meu coração a rebentar do peito. Sinto falta de me perder nos teus olhos, em silencio, e sorrir até adormecer convencida que aqui e agora não há felicidade maior que dormir ao teu lado…

Sinto falta que me tirem esta armadura do peito, o peso dos ombros e os dentes de fera para que eu possa voar de contente, de amor,  de menina…

2 Respostas to “Eu confesso.”

  1. Ana Amorim said

    Inês, para ti estão reservadas só coisas boas, podes não as ver muito claramente agora… mas elas estão à tua espera. Nunca deixes de acreditar que és um ser muito especial*

  2. Rui said

    Bem, isto está magnífico. E inveja-me, eu não sinto falta disso. Mas caso sentisse, desconfio que nao o descreveria tão bem quanto tu. Quanto ao separador que exiges no meu blog para as coisas fofinhas, ele já existe há muito tempo, chama-se “Amor e Romance” e tens de descer um bocadinho até o encontrares😉 Ah, não imaginas como fiquei contente por ter o teu apoio, senti-me muito órfão quando escrevi aquilo, haja alguém que me apoia😀

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: