Vem dormir comigo.

Março 31, 2007

Vem dormir comigo. Vem sossegar-me com mimos e festas e sussurros. Sussurra baixinho coisas bonitas, coisas simples, coisas pequenas. Não tentes metáforas ou antíteses complicadas, porque eu quero parar o cérebro. Sussurra só palavras soltas, aquelas que as mães dizem aos filhos para eles adormecerem.

Sussurra baixinho aquelas estórias de princesas e casteloas e monstros, com príncipes e heróis e “superes-alguma-coisa”. Sussurra num tom infantil, ingénuo, paciente, como toda a calma do mundo. E inventa estórias de fadas e elfos e cogumelos falantes, conta-me coisas de super-meninas, com super-poderes e super-qualidades. Não te preocupes com superlativos ou palavras megalómanas, que eu não me quero esforçar para entender.

Vem dormir comigo e vamos ser pequeninos. Vamos voltar a brincar com casinhas, comidas e bonecas de plástico. Vamos jogar futebol com canetas, fazer uma reserva de dinossauros e montar aqueles legos gigantes às cores. Os legos pequenos são para gente crescida.

Não me apetece ser crescida. Não hoje, não agora, não contigo a dormir ao meu lado. Hoje só quero mimos e festinhas e palavras bonitas. Palavras fáceis e pequenas e vulgares. Quero palavras de meninos.

Vamos ser meninos bonitos e vamos deitar-nos cedo. Vamos dormir toda a noite sossegados, sem medo dos medos do chão que está debaixo da cama. Mas anda dormir comigo para os medos de chão debaixo da cama terem medo de vir cá acima fazer-me crescer. Porque se não dormires comigo eu tenho de crescer para não ter medo.

Hoje chega de ser crescido, vamos crescer só amanha. Agora vamos enroscar-nos em cobertas e mergulhar nas almofadas, como se fossem nuvens de algodão doce. Vamos sonhar com nuvens de algodão, fofinhas, e atirar flocos um ao outro, porque estes não magoam. Os flocos de nuvens vão desfazer-se no ar, como os sonhos se desfazem quando acordas…

Afinal não atires os flocos de nuvem, senão vamos acordar depressa, eu hoje quero ser pequenina mais tempo.

Vem dormir comigo. Amanha temos tempo de sermos crescido, mas hoje vamos dormir como crianças. Ao menos no sono vamos ser infantis. Vamos conservar alguma coisa de criança que não nos impeça de sermos mais grandes. Dormir enroscado não nos impede de sermos mais grandes. Vamos descansar um bocadinho de sermos grandes, porque se soubermos ser pequeninos, um dia saberemos o que é ser maiores.

Vem dormir comigo. Apaga a luz e olhos e o cérebro. Acende a luz de presença e as estrelas florescentes do tecto. Sussurra baixinho… Já estás a dormir?

 

Inês Amorim

 

 

Hotel

6 Respostas to “Vem dormir comigo.”

  1. joão ramos said

    muito bem, zebra do zimbabwe!
    gostei deste teu toque pessoal, bom nome para o blog e excelente abertura.. continuas a surpreender ;D

  2. luis said

    Parabéns inezoca, ta mt fx o teu texto😀

  3. Miguel de Albuquerque said

    (sussurando):
    “I’ll never let your head hit the bed
    Without my hand behind it
    (…)
    Your body is a wonderland”
    =) @* adoro-te

  4. chevalierdapassa said

    Este blog promete! A Inês é a maior.

  5. Sabrina said

    Vem dormir comigo
    Pelas ondas de aventura
    Que eu prometo dar-te
    Oceanos de ternura

  6. Buh said

    Li tudo de um fôlego. Não sei que te diga. Viciei. Continua. Manda mais dardos às almas mais desprevenidas. Deixa que mesmo os que parecem mais frios cheguem aqui e se sintam tocados pelo teu calor. Até vontade de escrever me dás! E isso não me dá muitas vezes… Mostra mais… =) *

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: